Representando os grupos prioritários, cinco pessoas são vacinadas contra o coronavírus em Porto Alegre


Dez meses depois do início da maior crise sanitária dos últimos 100 anos, a vacinação contra o novo coronavírus começou no Rio Grande do Sul. Num ato simbólico, cinco pessoas pertencentes aos grupos prioritários nessa primeira fase da imunização foram vacinadas no saguão do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), por volta das 23h45 desta segunda-feira (18).

Eloina Gonçalves Born, de 99 anos, moradora do Residencial Geriátrico Donna Care; Jorge Amilton Hoher, 68 anos, médico-chefe do serviço de Medicina Intensiva da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; Carla Ribeiro, 32 anos, da etnia kaingang e residente da Aldeia Fag Nhin, na Lomba do Pinheiro; Joelma Kazimirski, 48 anos, auxiliar de higienização do Grupo Hospitalar Conceição; e Aline Marques da Silva, 40 anos, técnica de Enfermagem CTI Covid do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), foram os primeiros vacinados no RS. 

Todos receberam a primeira dose da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. A primeira etapa da vacinação vai priorizar idosos que residem em instituições de longa permanência e profissionais de saúde da linha de frente no combate ao coronavírus, que trabalham em UTIs de hospitais, indígenas e quilombolas.

“Talvez uma noite nunca foi tão clara, iluminada pela ciência, que rompe com a escuridão daqueles que negam a importância da pesquisa e da ciência no nosso país. São aproximadamente 23h40min, e nós estamos aqui, com toda disposição e animação como se fossem as primeiras horas do dia pela expectativa deste momento”, disse o governador Eduardo Leite.

De um total de quase seis milhões de doses da CoronaVac, o Rio Grande do Sul recebeu 341,8 mil unidades. Dessas, 170,8 mil — aproximadamente a metade do recebido – serão encaminhadas para o interior, a partir de Porto Alegre, na manhã desta terça (19), por via terrestre e aérea, com o apoio da frota de aviões da Secretaria da Segurança Pública (SSP). A quantidade remanescente das vacinas ficará armazenada pelo governo estadual para o posterior envio e a segunda dose desse público, cuja previsão para aplicação é entre duas e quatro semanas após a primeira dose.

“A gente começa essa imunização hoje, mas é o início ainda desse processo. Precisamos que todos continuem colaborando no cumprimento dos protocolos do Distanciamento Controlado”, enfatizou Leite.

Emocionada, sem conseguir conter a voz embargada, a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, definiu o início da vacinação como “um dia de esperança”. “Acima de tudo, acreditamos que a vacina, juntamente com os cuidados básicos, como uso da máscara e evitando aglomerações, vamos vencer esse inimigo. Estávamos há 10 meses esperando esse dia. É um dia de esperança, é um dia de emoção. Eu não pensei que eu viveria esse dia”, afirmou a secretária.

A vacinação pelo RS

Com as doses da vacina sendo transportadas para o interior do Estado nesta terça-feira (19), as quantidades exatas para cada município ainda serão definidas pelas Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS), seguindo os critérios populacionais dos grupos prioritários. Na sequência, as prefeituras dos 497 municípios devem retirar na respectiva CRS o quantitativo proporcional à população a ser vacinada.

O governo estadual informa que, pelo perfil do público-alvo, nesta primeira fase a vacinação ocorrerá diretamente nos hospitais para os profissionais da saúde que atuam nestes locais. Nos postos de saúde, somente os trabalhadores daquela própria unidade serão vacinados. Moradores idosos e trabalhadores de instituições de longa permanência serão vacinados no próprio residencial, assim como indígenas na sua comunidade. Essa mesma estratégia é usada anualmente nas campanhas de vacinação contra gripe.

Nas próximas fases, a população poderá se vacinar nos postos de saúde próximos de onde moram em datas que ainda serão anunciadas. Nesse início da vacinação, 138 mil doses são destinadas aos trabalhadores da saúde, o que representa 34% do total estimado para esse grupo no RS. De acordo com o recebimento de doses, os demais integrantes da área da saúde serão gradativamente incluídos. No total, o público de trabalhadores do setor da saúde no Estado é estimado em 400 mil pessoas.

Outras 9,8 mil doses estão previstas para as pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas, deficientes institucionalizados e trabalhadores de Instituições de Longa Permanência de Idosos. Para a comunidade indígena que vive em aldeias, são 14 mil doses destinadas.

Fonte: Sul21. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.