Governo enrola Congresso ao tratar Bolsa Família como Auxílio Emergencial


Imagem: MATEUS BONOMI/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ministério da Economia estuda retomar o auxílio emergencial, agora no valor de R$ 200, apenas para quem recebe o Bolsa Família e para os que estão na fila aguardando recebê-lo. A questão é que o valor médio mensal do benefício já era de R$ 190. Ou seja, o governo Bolsonaro estuda, na prática, rebatizar o Bolsa Família de Auxílio Emergencial por alguns meses, pagando um pouquinho a mais, e incluindo quem está na fila de espera – que já teria direito ao benefício se o governo priorizasse os mais pobres. Seria ótimo que Bolsonaro somasse R$ 200 aos R$ 190. Mas a proposta é termos um novo auxílio com valor de R$ 10 a mais que a média já paga no benefício. Em muitos lugares, isso não dá para comprar um quilo de arroz com um de feijão. Em outras palavras, muito barulho por nada.

Nesse caso, o governo verificaria quanto a família recebe por mês no Bolsa. Se for mais de R$ 200, fica com o valor que já recebe – ou seja, o auxílio seria de zero. Se for menos, passaria a ganhar o complemento até esse valor. Esse valor é insuficiente para a sobrevivência neste momento em que até o trabalho informal ficou escasso por conta da pandemia. Em janeiro, 14.232.705 famílias receberam o Bolsa. O Ministério da Cidadania não divulga o tamanho da fila, mas um levantamento da FGV baseado em dados do IBGE aponta que, pelo menos, mais 3,7 milhões de famílias teriam direito ao benefício.

Outro levantamento do jornal Folha de S.Paulo apontou que há 1,4 milhão de pessoas com cadastro aprovado pelo Ministério da Cidadania, esperando. O pagamento do auxílio emergencial derrubou a pobreza extrema de 11% da população, em 2019, para 4,5% em agosto do ano passado, segundo cálculos da FGV Social. Com o fim das parcelas, saltou para 12,8% em janeiro deste ano. São quase 27 milhões de pessoas na miséria.

Após condicionar o retorno do auxílio emergencial à criação de “um novo marco fiscal, robusto o suficiente para enfrentar eventuais desequilíbrios”, o ministro Paulo Guedes disse que atenderia apenas metade dos beneficiários de 2020. No ano passado, mais de 68 milhões de pessoas receberam, pelo menos, uma parcela.

No início da pandemia, o ministro já havia tentado pagar um auxílio de apenas R$ 200, mas o Congresso Nacional forçou a subida do valor para garantir a sobrevivência dos trabalhadores informais. Nova pressão tenta ressuscitar o auxílio nesta segunda onda da covid-19. Ao estudar pagar R$ 200 para quem recebe o Bolsa, o governo tenta enrolar os parlamentares.

Leia o texto completo clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.